Uma vida de mágoas

Desceu as escadas apressadamente. Era a última oportunidade para Josélia pedir perdão à sua mãe, a mulher que a entregou, recém-nascida, aos avós maternos para criá-la. Passaram-se 28 anos desde então e a mágoa de Josélia foi crescendo assustadoramente com o tempo. Nunca perdoou a mãe por tê-la entregue, muito embora nunca tenha sido abandonada totalmente por ela. A mãe residia em cidade próxima e, sempre que podia, passava os finais de semana na casa dos pais com ela. Os anos fizeram com que o amor se esvaziasse e uma convivência medíocre, sem qualquer diálogo, tomou o lugar de tudo. Nada era novo, nada era agradável, sempre o “nada”, levando a vida de todos a uma situação insuportável.

Os paramédicos já tinham colocado a sua mãe na ambulância quando Josélia suplicou um minuto com ela. As portas da ambulância foram abertas e ela, aos gritos, pediu perdão à mãe. Ao olhar para o paramédico que a acompanhava pressentiu que já era tarde. O câncer fora galopante demais e chegara a sua hora.

A ambulância afastou-se aos poucos. Não havia mais pressa. Restou somente a pressa de Josélia, sentada na sarjeta, buscando entender o porquê de tamanha mágoa sem qualquer busca de entendimento. 

Por Rosalva Rocha

……..
Texto integrante do projeto de exercício literário proposto pela Pragmatha Editora em suas redes sociais. Participe! Em caso de dúvida, converse com a editora Sandra Veroneze pelo e-mail sandra.veroneze@pragmatha.com.br

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp