Um minuto distante é uma eternidade

Desceu as escadas apressadamente, não queria demorar, ainda nem tinha saído e já queria voltar, não conseguiam se desgrudar, eram dois polos magnéticos impossíveis de se desgarrar.

Tinham simplificado o que todos diziam ser extremamente complexo, encaixavam-se perfeitamente como côncavo e convexo, tanto no Amor quanto no sexo, eram um microcosmo juntos, espelho e reflexo.

Completam suas frases rapidamente, respondiam juntos naturalmente, um plantava e o outro regava a vital semente. Quanto à paixão? Ah, cada vez mais quente e ardente. Claro, evidente.

Eram céu e mar unidos no horizonte, o mágico remanso do pôr-do-sol atrás do monte, a água mais pura e límpida direto da fonte.

Inseparáveis, indissociáveis, inalienáveis, inexoráveis, irrefutáveis.

Um oásis no meio do deserto, um paraíso escancarado e aberto, tudo de bom e certo.

O mais belo futuro já estava nas estrelas registrado, nada poderia dar errado, era um sonho real e encantado.

Na verdade, um minuto distantes parecia uma eternidade, precisava retornar logo com máxima prioridade.

Decidiu voltar, afinal, alimentavam-se em suas bocas e corpos reciprocamente, o reencontro era urgente e o Amor premente, tudo mais pode esperar, menos a gente.

Por Leonardo Andrade

C`est fini

Desceu as escadas apressadamente, ignorando o antigo medo de cair, mais forte do que tudo era sua vontade de sair.

Bateu a porta sem olhar para trás, acabou, não dava mais, tinha suportado por tempo demais.

Toda mágoa contida pela represa estava aos poucos destruindo sua natureza, e lentamente esmaecendo sua chama acesa.

Todas as palavras trocadas tinham algo de rancor, destilavam o inconfundível veneno do desamor e a pintura já não tinha mais cor.

Há muito tempo o relacionamento tinha deixado de ser saudável, todo silêncio soava desagradável e se tornava quase interminável, o antigo lar aos poucos tornou-se inabitável e a convivência impraticável.

O carinho desapareceu primeiro e logo depois veio buscar o respeito, foi quando ficou irreversível o defeito e apareceu o consenso que não tinha mais jeito.

Sentia-se acuado em sua própria casa, pássaro sem asa, foi desaparecendo a profundidade e a relação ficou impraticavelmente rasa.

Não havia mais refúgio nem na poesia, Neruda tinha desaparecido do seu dia a dia, a ausência das rimas lhe feria e os livros fechados se tornaram um fiel retrato de sua agonia.

Partia levando o que restava de sanidade, rompendo os grilhões e gritando sua liberdade, estava vivendo uma mentira que clamava por liberdade.

Não poderia apagar o passado mas o relegaria a indiferença, atrás da porta, do outro lado, bem trancado, onde jamais seria revisitado 

Por Leonardo Andrade

……..
Texto integrante do projeto de exercício literário proposto pela Pragmatha Editora em suas redes sociais. Participe! Em caso de dúvida, converse com a editora Sandra Veroneze pelo e-mail sandra.veroneze@pragmatha.com.br

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp