Um cão enorme guardava a porta

     Um cão enorme guardava a porta na qual deveria bater a campainha para fazer a entrega. Sentado na moto, ficou olhando para ele, quieto, observando seus movimentos.

     — Mas que droga essa — falou — fazem uma cerca na casa, mas não fazem um portão, nem colocam uma campainha. Como se pode fazer uma entrega sem saber a reação desse cachorro?

     O belo exemplar de Pastor Alemão continuava lá, a princípio sem reação nenhuma, mas olhando-o com cuidado, indiferente às palavras de Luiz.

     Nunca enfrentara uma situação igual àquela. Os cachorros normalmente avançavam com ferocidade, ou abanavam o rabo. Sabia lidar com qualquer das duas situações, sempre com um portão ou muro entre ele e as feras.

     Esse, porém, estava quieto, estático. Já podia tê-lo atacado se quisesse, o caminho estava livre. Sua imobilidade assustava muito e a essa altura esperava um ataque furioso. Acionaria a moto e umas quadras adiante telefonaria para a dita casa.

     Resolveu olhar para o cachorro da mesma forma, quieto, sem movimentos, só olho no olho. Talvez funcionasse e a fera desistisse, latindo e chamando os donos.

     Só rosnou mostrando os dentes afiados, elegante e altivo dono de si. O máximo que fez, depois de rosnar, foi ficar com a língua de fora como se estivesse com calor e sede.

     Para surpresa de Luiz, um gato chegou perto dele, encostou-se e ficou se esfregando, embora o cachorro continuasse a olhá-lo com firmeza, sem desviar os olhos, sem dar a mínima para o gato.

     Quinze minutos e nada mudava naquela cena. Luiz desceu da moto, precisava fazer alguma coisa, tinha outras entregas para fazer, não podia se atrasar tanto.

     Abriu sua caixa de entregas e retirou a pizza de calabresa que fora encomendada. Olhou para o cachorro e viu o rabo balançar, era evidente que o faro dele era excelente, mas não se afastou da porta.

     — Oi cachorrinho, está com fome? Me deixa chegar na porta e teu dono te dá um pedaço, concorda? — Falou olhando para o cachorro ao mesmo tempo que ouviu um grito.

     — Oh! Da pizza! A entrega é aqui desse lado da rua, estou esperando há meia hora e você brincando com essa vira-lata.

     Luiz foi até o outro lado da rua, entregou a pizza, dizendo que o número que lhe haviam dado era da casa da frente.

      — Minha casa não tem número, ignorante, tive que dar uma referência.

     — Desculpe, ninguém me avisou e eu não podia adivinhar. Quem é o dono daquela casa e do cachorro?

     — É uma cadela nojenta — o cara falou — e o dono morreu há umas semanas. Ninguém quer aquela cadela. É de muito mau humor, cuida do gato, da casa e de dois filhotes, ninguém chega perto e parentes do velho ainda não apareceram para ver a casa.

     Luiz recebeu o dinheiro, colocou o capacete e foi fazer as entregas seguintes. Quando ia sair do trabalho lembrou do cão pastor, da forma como abanara o rabo ao cheirar a pizza.

     Voltou e pediu uma pizza de calabresa, colocou na sua mochila de entrega. De relance pegou duas garrafas vazias e encheu de água. Rumou até o endereço.

      A cachorra não estava na frente, mas assim que entrou no pátio com as garrafas de água, uma lata e a pizza na mão, deparou com ela rosnando para ele. Sentou-se no chão, bem devagar, com as pernas cruzadas.

     Primeiro derramou água numa lata e empurrou devagarzinho para o lado dela, depois com movimentos bem leves abriu a pizza e jogou um pedaço até onde ela alcançava.

     A cachorra pegou o pedaço de pizza e sumiu. Luiz ficou ali, quieto no lugar, cortou com as mãos a pizza em pedacinhos pequenos, comeu um pedaço e esperou.

     Não demorou muito e ela voltou acompanhada de dois cachorrinhos e um gato preto cujo pelo brilhava, assim como o dos cachorrinhos. Aproximou-se dele, puxou a caixa de pizza para um pouco mais longe e deu um latido.

     Os três avançaram nos pedaços. Pareciam estar com muita fome. Devagar, a cachorra pegou um pedaço para ela, sentou-se e comeu. Nem olhou para Luiz.

     Lamberam a caixa e depois, igual a chefe, tomaram água que estava mais perto de Luiz, que calmamente abriu a outra garrafa e encheu novamente a lata.

     Já estava escurecendo. A cadela latiu e a gata, como se fosse da matilha, acompanhou os cachorrinhos para algum esconderijo atrás da casa. A cachorra se aproximou de Luiz, cheiro-o e depois lambeu a sua mão.

     Estava iniciada uma longa amizade.

Por Verena Rogowski Becker

……..
Texto integrante do projeto de exercício literário proposto pela Pragmatha Editora em suas redes sociais. Participe! Em caso de dúvida, converse com a editora Sandra Veroneze pelo e-mail sandra.veroneze@pragmatha.com.br

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp