Tábula rasa

Quando voltará para casa?  Já começam as primeiras cinzas pós brasa, vamos recomeçar tal qual uma tábula rasa?

Entendi sua necessidade de espaço, afrouxei até quase desfazer o laço e não marquei seu passo.

Compreendi sua necessidade de liberdade, por mim está tudo certo, de verdade.

Não farei quaisquer questionamentos, são só seus os vividos momentos, guarde-os com carinho em seus pensamentos e não se preocupe, para mim, estão isentos de julgamentos.

Estou só lhe lembrando que sou seu lar, o porto seguro para onde sempre pode voltar, com plena escolha de ancorar e zarpar da forma que desejar.

Quero ser todo dia sua escolha, jamais uma imposição, e tenha certeza de que a qualquer momento pode mudar de opinião, é seu, todo seu o poder de decisão.

É por prazo indeterminado minha oferta, a porta para você estará sempre aberta e a tórrida paixão sequencialmente sendo redescoberta.

A minha escolha foi você é é irreversível, meu Amor tornou-se inatingível e indestrutível, sequer arranhá-lo, creia, é completamente impossível.

O agora grafite, em um instante retorna ao formato de diamante, essa magia mutante é que é importante, tudo mais se torna tão distante.

Bom, estou a sua espera, hoje, amanhã ou na próxima primavera, eternamente pronto para inaugurarmos uma nova era. 

Por Leonardo Andrade 

……..
Texto integrante do projeto de exercício literário proposto pela Pragmatha Editora em suas redes sociais. Participe! Em caso de dúvida, converse com a editora Sandra Veroneze pelo e-mail sandra.veroneze@pragmatha.com.br

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp