Silêncio

Um cão enorme guardava a porta, que entreaberta parecia que alguém vigiava em silêncio.

A casa se escondia entre as árvores e plantas mal cuidadas do imenso jardim. Na cumieira avançava uma janela, em que um dos postigos pendia meio quebrado e já sem vidros. Nela, um sino de ventos sussurrava uma triste melodia. Um par de olhos fazia ver-se quando a lua cheia tentava espreitar os segredos que escondia.

Por Isiara Caruso

……..
Texto integrante do projeto de exercício literário proposto pela Pragmatha Editora em suas redes sociais. Participe! Em caso de dúvida, converse com a editora Sandra Veroneze pelo e-mail sandra.veroneze@pragmatha.com.br

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp