Revoltas sazonais

Um cão enorme guardava a porta; ontem era um tigre, amanhã talvez uma onça, o nome do obstáculo pouco importa.

Sei que eles não estão ali de verdade, mas o bloqueio emocional é uma realidade e impede minha liberdade.

Os piores grilhões são invisíveis, praticamente intangíveis e para removê-los não tenho ferramentas disponíveis.

Sinto-me aprisionado, pressionado, encurralado e subestimado.

Limitado por regras que não fiz, por normas que nunca quis, por sentenças de um louco juiz e por efêmeros e fugazes traços de giz.

Penso em fazer um discurso, entrar com um recurso ou até mesmo tentar outro percurso.

Fico postergando, dizendo que ainda é cedo, mas posso te contar um segredo? Acho que, no fundo, tenho medo.

Os limites que impedem a fuga, fazem o mesmo com a entrada, aqui, minha segurança está assegurada e minha vida resguardada, mesmo que às vezes pareça desperdiçada. Novamente meus questionamentos e minha cíclica rebeldia não dão em nada. 

Sair do cais é perigoso demais, prossigo ancorado convivendo com inócuas revoltas sazonais.

Por Leonardo Andrade

……..
Texto integrante do projeto de exercício literário proposto pela Pragmatha Editora em suas redes sociais. Participe! Em caso de dúvida, converse com a editora Sandra Veroneze pelo e-mail sandra.veroneze@pragmatha.com.br

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp