O ônibus chegou

O ônibus chegou. Os passageiros começaram a desembarcar. Ela, ansiosa, buscava entre eles o rosto que apenas havia visto através da tela do computador. Ele tinha que estar entre essa gente simples que havia ido à cidade grande por algum motivo especial. Ansiava por ouvi-lo recitando poesias e dizendo palavras carinhosas, como fazia através da telinha. Houve um momento que temeu que não tivesse vindo. Mas, de repente o reconhece, descendo do ônibus com uma valise pequena. Aí estava seu príncipe!

Mas, ao inverso dos contos de fadas, não demorou para que o príncipe virasse sapo. Uma das primeiras coisas que falou depois de se cumprimentarem foi “isso é a estação rodoviária de tua cidade?” Para em seguida questionar “tu estás a pé? não tens carro?”

Jantaram juntos. Foi o máximo que pôde suportar. Nunca mais se viram. Há males que melhor cortar pela raiz. E há príncipes que literalmente se transformam em sapos. Pobres sapos! Nem merecem essa comparação.

Por Cleia Dröse

……..
Texto integrante do projeto de exercício literário proposto pela Pragmatha Editora em suas redes sociais. Participe! Em caso de dúvida, converse com a editora Sandra Veroneze pelo e-mail sandra.veroneze@pragmatha.com.br

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp