O guri do leite

Dizem que amor feliz não faz boa literatura. Da mesma forma, são os casos mais sangrentos e vis que costumam chamar a atenção dos leitores. Traição e morte são elementos muito comuns nas grandes histórias literárias. Explorar o lado sombrio do ser humano seria o segredo do sucesso?

Então, na minha saga de candidata a escritora procurando o personagem perfeito, pensei em criar um mau, bem ruim. Um assassino, talvez. Ladrão… Alguém que rouba milhões. Roubaria do governo, para tornar o crime ainda mais repugnante, porque evaporaria dinheiro da saúde, da educação… Estupro é sempre algo que revolta, mas eu precisaria de um estômago mais forte para explorá-lo em uma narrativa ficcional…

Em meio a uma pandemia, isolamento social, mortes e um tanto de outras tragédias que já existem na vida real, pensei então em desafiar o senso comum. Que tal criar uma história fofa? Um desenrolar com final feliz, que levasse o leitor, na última página, a um longo suspiro e ao pensamento de que ah, como a vida pode ser boa!

Quem sabe uma narrativa romântica? Alguns percalços seriam encontrados pelo caminho, mas no final o grande amor dos personagens seria capaz de vencer tudo e todos. Ou uma história sobre um grande ideal? O personagem poderia de um otimismo inabalável, pensando em elevar a humanidade a um nível muito superior de consciência e bem-estar.

Também pensei em explorar, quem sabe, a inocência? Chega de pensamentos torpes, distorções, pessoas querendo vencer na vida a qualquer custo, desrespeito, coisas tão comuns na vida adulta… Exploraria o olhar mais puro que só uma criança cheia de amor e desejada pode ter…

Taí, gostei desta perspectiva. E voltei os pensamentos à infância. Na busca pela inspiração, procurei algum personagem, alguém para ser o depositário de todas as virtudes, alegrias e esperanças que se pode ter no futuro quando se mora em um lugar que, guardadas as proporções, até dá na vida algumas, senão garantias, pelo menos seguranças.

Não sei por qual motivo, mas lembrei do “guri do leite”. O guri do leite passava todo final de tarde na minha rua. Loirinho, de olho azul (características de nove entre dez crianças quando se mora numa cidade colonizada por alemães), entregava as encomendas para os clientes. Carregava as garrafas numa espécie de colete de jeans, provavelmente reaproveitado de alguma calça velha, preso nos ombros. Se não me engano, eram três ou quatro garrafas na frente e a mesma quantidade atrás.

Era o trabalho dele. Tinha responsabilidades. As famílias precisavam se alimentar! O trampo dele era muito importante. Dele dependia a saúde e a vida de muitas pessoas. E ele tinha, também, um salário! No auge dos nossos oito ou nove anos, confesso, ninguém na turma se preocupava com a saúde das pessoas. Nós prestávamos muita atenção era no salário dele. Sim, ele era r-e-m-u-n-e-r-a-d-o para, todo final de tarde, entregar o leite. Todos tínhamos uma certa inveja, claro, porque ele tinha dinheiro para, por exemplo, comprar merenda no colégio. Eram bolos, sonhos, cuecas viradas e outras coisas que tínhamos em casa também, feitos inclusive com o leite que ele entregava…

Pensando agora, veja que louco! O leite vinha de uma vaca. Uma vaca holandesa, certamente. A vaca holandesa é linda, malhada branco e preto. Imagine um dálmata gigante. Não, não imagine… Não faz muito sentido. Veja, que maravilha, ter uma vaquinha em casa? Como é doce a vida no interior. Agora até imaginei uma aqui na minha sacada, no 12º andar… (efeito da quarentena na cabeça).

Voltando ao guri do leite… Desisti de escrever sobre ele. Aquilo era trabalho infantil. Ele devia mesmo era estar brincando, jogando bola, fazendo a lição de casa… A vaquinha da sacada mugiu. Ela concorda.

Sandra Veroneze

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Fechar Menu
Whatsapp Chat
Envia via WhatsApp
×
×

Carrinho