Na barra da saia

Um cão enorme guardava a porta.

A menina tinha pressa, mas estacou o passo ao perceber a presença do imenso animal. Em sua mente, o via com três cabeças, igualzinho à ilustração do livro da biblioteca. Enquanto uma cabeça com os dentes arreganhados olhava para a frente, as outras duas observavam as laterais. A menina tinha medo, mas também tinha fome. E sabia que do outro lado daquela porta havia um pomar repleto de frutas maduras. Sentia o sabor da pera que se oferecia plena de vida, tal um útero guardando uma semente.

A menina lembrou da avó, que de tão velha já não contava os anos. Lembrou do que a avó lhe dizia. “Amarra ele, filha! Amarra ele na barra da saia!” E então a menina puxou a barra da saia e deu um nó. Um nó bem apertado, enquanto repetia “agora tu tá amarrado e nenhum mal podes me fazer”.

E o enorme cão virou sua única cabeça para o lado esquerdo e rastejou como se farejasse algo importante, afastando-se da porta alguns passos. Em seguida, acomodou-se e adormeceu.

A menina aproximou-se da porta e lentamente a abriu, sempre segurando com força o nó na barra da saia e repetindo que ele estava amarrado.

Do outro lado, o pomar inteiro a recebeu gentilmente.

Os galhos com as mais saborosas frutas se dobravam na altura exata para que ela cheirasse os pomos e os mordesse sem precisar usar as mãos, que continuavam segurando o nó na barra da saia.

Dizem que é por este motivo que ainda hoje naquela aldeia as meninas usam saias rodadas que lhes facilitam fazer um nó sempre que um perigo as ameace.

Por Cleia Dröse

……..
Texto integrante do projeto de exercício literário proposto pela Pragmatha Editora em suas redes sociais. Participe! Em caso de dúvida, converse com a editora Sandra Veroneze pelo e-mail sandra.veroneze@pragmatha.com.br

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp