Medo

Um cão enorme guardava a porta e eu fiquei com medo. Sempre tive precaução com cães, mas este dava medo. Não sabia o que fazer, precisava passar. Pensei em conversar com ele. Será que me ouviria? Se eu me aproximasse? Será que ele sentiria o meu medo? Dizem que os cães têm capacidade de sentir o medo dos humanos (não sei se é pelo cheiro que exalamos na hora que estamos sentindo ou transpiramos medo). Acredito que, no meu caso, eu transpirava, cheirava, mostrava o meu medo. Faria o que? Era mais forte do que eu, a razão sabia, mas o sentimento de medo superava tudo. Lá continuava o cão… e eu ali, tremendo! Precisava chegar até aquela porta. Armei-me de toda a coragem que não tinha e fui. Quando cheguei perto dele, simplesmente me cheirou e fez festa; me senti uma boba por ter dado crédito ao meu medo! 

Por Roselena de Fátima Nunes Fagundes

……..
Texto integrante do projeto de exercício literário proposto pela Pragmatha Editora em suas redes sociais. Participe! Em caso de dúvida, converse com a editora Sandra Veroneze pelo e-mail sandra.veroneze@pragmatha.com.br

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp