“Educação Escolar Quilombola – Das resistências negras aos contornos pedagógicos na comunidade quilombola de Casca/RS”

“Educação Escolar Quilombola – Das resistências negras aos contornos pedagógicos na comunidade quilombola de Casca/RS” é a obra que o escritor Paulo Sérgio da Silva está publicando pela Pragmatha Editora.

Integrante do projeto Zumbi-Dandara dos Palmares, coordenado pelo professor Alan Alves Brito, a obra aborda temas como o contexto socioeconômico e lutas insurrecionais, as ações de resistência, o protagonismo, a educação quilombola em seus aspectos pedagógicos e os desafios da educação escolar quilombola, tendo como caso de estudo a comunidade quilombola de Casca, no Rio Grande do Sul.

Segundo o autor, nas comunidades remanescentes de quilombos, os processos de educação considerados como “não formais” são determinantes na constituição do seu modo de vida e responsáveis pela preservação do patrimônio sociocultural do qual estas comunidades são detentoras. “Desta maneira, as rezas, os cânticos, o conhecimento sobre as ervas medicinais, as técnicas de plantio e a criação de animais, as histórias e memórias coletivas constituem parte deste acervo comunitário que auxilia na compreensão acerca de seu estar no mundo e em relação com o mundo”, afirma.

 Os prefacistas Iosvaldyr Carvalho Bittencourt Junior e Véra Neusa Lopes destacam que autor faz uma densa análise sobre as bases jurídicas, repressivas e acerca da conivente atuação do governo brasileiro e da Igreja Católica na escravização de africanos e de indígenas, e de seus descendentes, durante o Brasil Colonial e Imperial. A Lei da Terra de 1850, por exemplo, proibia a ocupação da mesma no Brasil por quem não pudesse adquiri-la mediante compra. “Como o negro não dispunha de recursos para tal, então não podia ocupá-la, embora fosse responsável em grande parte pelo seu desenvolvimento e pela extração das riquezas nela existentes. Podia trabalhar na terra, fazê-la produzir e construir casa. Construir seu próprio patrimônio, não, porque lhe faltavam os meios pecuniários para tal”, afirmam.

O lançamento será em breve.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp