Ao pé do verso: “Descrença”, de Paulo Vasconcellos

“Ao pé do verso” é o projeto da Pragmatha que se propõe a investigar os bastidores da produção poética. Nesta edição, o poema escolhido é “Descrença”, de Paulo Vasconcellos, que foi publicado no livro “O laço e o compasso”.

A ideia do poema surgiu com o objetivo do autor de chamar a atenção, no sentido de alerta, mostrando a realidade nua e crua de um cidadão sem perspectivas de futuro. Talvez, transmitir a dor sentida por ele e que parece não cessar, levando-o ao desespero.

Segundo Paulo, o trabalho foi escrito em um momento de reflexão sobre as “acontecências” do cotidiano, pois não se têm reações imediatas para amparar quem é paupérrimo. “Sempre que vou escrever textos poéticos, faço antes uma meditação sobre o tema a ser abordado. Muitas vezes não consigo concluir de imediato, mas depois a inspiração volta e faço o fecho”, afirma.

Este poema de Paulo pretende deixar uma mensagem com jeito de reivindicação: para que não continuem escassas as políticas públicas que amparam os menos favorecidos, razão de muitos casos omissos e assim os desafortunados padecem diante da pobreza e dos maus tratos.

“Fico literalmente emocionado e até constrangido por não poder agir e abraçar os tantos casos de exclusão no nosso país. Sofro junto com essa camada social não atendida por quem é de direito”, conclui.

Confira o poema:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp